segunda-feira, 16 de outubro de 2017

BELEZAS DA TERRINHA


CÉUS DE OUTUBRO...

Foto de hoje: Serjão Missiaggia
Trat.imagem; Jorge Marin

TODA CASA TEM UM CASO


QUEM SABE ALGUM CASO DESSA CASA???

CASA DA SEMANA PASSADA - A casa do saudoso Neném Itaborahy, nosso querido maestro, foi primeiramente reconhecida pelo Márcio Velasco, que lembrou que, naquela parte de cima, morava a dona Zenith (do Cine Brasil e da Rodoviária). Graça Mendonça, que também morou na casa, lembrou que ali nasceu o seu caçula, o Mr. Webones Márcio Sabones.

Foto de hoje: Serjão Missiaggia
Trat.imagem: Jorge Marin

CASOS CASAS & mistério???


QUE LUGAR É ESSE??? QUEM SABE?

ACERTADORES DA SEMANA PASSADA - Residência do saudoso do dr. Írio, a eterna "casa dos patinhos" foi primeiramente reconhecida por: Luiz Carlos Moura, Marcelo Oliveira e Dulcinéa Ferreira.

Foto de hoje: Serjão Missiaggia
Trat.imagem: Jorge Marin

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

FEDIDOS NO ESPAÇO


Pessoal, como vocês devem ter visto na homenagem que me fizeram no Face, cheguei, graças a Deus, aos meus sessentinhas. Agradeço a Deus porque a saúde, a alegria e a energia continuam intactas. Porém, quando leio o noticiário, percebo-me estranhamente GAGÁ.

Não que eu esteja demente, mas, lendo as notícias e olhando os comentários, muitas vezes odiosos, das pessoas, percebo que estou com sérias dificuldades em lidar com os novos tempos.

Vou dar um exemplo, e peço que não atribuam qualquer intenção ou gesto político ao fato que vou relatar. É só um exemplo de um fato atual e da minha dificuldade em entendê-lo.

O prefeito de uma grande capital instituiu um programa municipal de combate à fome, no qual aproveita sobras de alimentos das indústrias produtoras (que estejam próximos ao vencimento de sua data de validade) para produzir um composto alimentar, um granulado nutritivo, que, segundo a prefeitura, serviria para ser adicionado à alimentação ou mesmo utilizado na fabricação de pães, bolos, massas e sopas.

Embora eu apoie toda campanha de combate à fome, essa iniciativa me pareceu esquisita, pois, em meu julgamento, o tal composto parecia mais uma ração. Vicentino que fui (dizem que a gente nunca deixa de sê-lo), entendo que a alimentação que vai ser distribuída aos pobres não pode ser de qualidade inferior SÓ PORQUE ELES SÃO POBRES.

Além disso, acho que alimentação não são apenas nutrientes, mas inclui o prazer de saborear alimentos frescos, saborosos e saudáveis. E esse tipo de alimentação, mesmo para os pobres, é possível, primeiro porque o nosso país é um dos maiores produtores de alimento DO MUNDO. E, em segundo lugar, porque isso JÁ FOI FEITO, em nível nacional, pois o nosso país recebeu um prêmio da FAO – Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, JUSTAMENTE porque saímos do chamado Mapa da Fome das Nações Unidas.

Pois bem, concluí tudo isso do alto dos meus sessentanos, quando, para meu espanto, leio, nos comentários, várias pessoas falando sobre o assunto, dizendo que o prefeito está certo, que quem está passando fome não tem direito de escolher cardápio, e outros especialistas dizendo que o balanceamento dos nutrientes está correto.

Meio que duvidando da minha capacidade de julgamento, leio agorinha uma entrevista do tal prefeito, na qual ele usa um argumento para detonar com minha percepção: diz ele que essa ração é a mesma que os astronautas comem. Agora é que eu fiquei confuso de vez. Será que ele pretende enviar os pobres para o espaço???

Crônica: Jorge Marin

MÚSICAS QUE O PITOMBA ESCUTAVA


SEMPRE ÓTIMOS.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

UMA VIAGEM INESQUECÍVEL


Parece que foi ontem mesmo, mas, nesta quinta-feira dia 12, estarão completando 55 anos de uma visita inesquecível que fiz, juntamente com meus saudosos pais e Tia Maria, à Basílica de Aparecida do Norte. O ano era 1962 e eu, ainda com meus seis anos, mal havia dormido durante a noite, ante o fascínio daquela que seria minha primeira viagem interestadual.   
                                           
Acordamos de madrugada e, antes mesmo do dia clarear, começamos a nos aprontar. O ônibus fretado para a viagem foi o mais novo modelo adquirido pelo Expresso Picorone que acabara de chegar.  Naquela jornada, tivemos o privilégio de ter como motorista nosso também saudoso e alegre Anjinho Picorone. Por sinal, em função da sua famosa comunicabilidade, a viagem teria se transformado em momentos únicos e divertidos. 

Recordo bem que, na época, tudo era bem mais complicado, e essas romarias se transformassem em verdadeiras aventuras. Alguns trechos de estrada, muito dos quais ainda sem asfalto, colaboravam para que as viagens se tornassem bem mais longas, fazendo com que passássemos quase um dia inteiro dentro do ônibus. Até que chegássemos ao destino final, tornávamos uma única família.   

Ora poeira, ora barro, além de muitos buracos, tudo fazia com que a viagem se tornasse bem mais cansativa...

Recordo que uma breve parada em Volta Redonda teria sido necessária para alguns reparos no ônibus. Capô levantado, enquanto nosso divertido motorista, que também, era proprietário da empresa, agora de mangas arregaçadas e com extrema habilidade, ia rapidamente dando um jeito no motor.

Seguimos viagem, e pasmem, ainda não havia acontecido um único minuto de silêncio dentro do ônibus e muito menos pausa pra cantoria. Rege a lenda que fui em pé de São João a Aparecida do Norte apenas pra ficar observando o motorista.

A chegada foi algo inesquecível, e ainda tenho guardado na memória aquele imenso estacionamento e suas centenas de ônibus em cores diversas posicionados lado a lado como se brinquedos fossem.

A grandiosidade da Basílica, mesmo que ainda em construção, os fogos do meio-dia e a fé inabalável daquela multidão à nossa mãe Maria também se tornariam inesquecíveis, como um eterno filme na memória de uma criança.

Crônica: Serjão Missiaggia
Foto     : acervo do autor

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

BELEZAS DA TERRINHA


PRIMAVERA.

Foto de hoje: Serjão Missiaggia
Trat.imagem: Jorge Marin

BRIGADU, GENTE!

BRIGADU, GENTE!
VOLTEM SEMPRE, ESTAMOS ESPERANDO... NO MURINHO DO ADIL